Comerciante Varejista

Como a taxa básica de juros em queda ajuda você, comerciante varejista?

A instabilidade econômica, os juros altos e a consequente dificuldade para obter crédito são alguns dos principais problemas para que o comércio varejista possa prosperar, tendo em vista que esses fatores corroboram, de modo geral, para que haja um menor consumo.

No entanto, nos últimos meses, a queda da taxa de juros, que chegou à sua quinta redução seguida, saindo de um patamar em 2016 de 14% passando para 11,25%, a menor desde 2012, traz um cenário animador para o comerciante varejista. Nesse ponto a pergunta é: como o setor pode tirar proveito com a taxa básica em queda?

A resposta para esse questionamento é simples: quando o Copom (Comitê de Política Monetária) aumenta a taxa, o objetivo é conter uma demanda que está aquecida, e isso reflete nos preços que se elevam, uma vez que juros mais altos encarecem o crédito e estimulam a poupança. Agora, quando há a redução, a tendência é que o crédito fique mais acessível e barato, servindo de incentivo tanto para a produção quanto para o consumo.

É neste sentido que o comerciante varejista comemora, pois com a taxa básica em queda, os benefícios são muitos. Conheça-os a seguir!

Incentivo ao consumo

Pela redução dos juros, os preços tendem a cair, pois essa queda beneficia toda a cadeia de consumo e, com os preços em baixa, as pessoas acabam comprando mais, movimentando a economia como um todo.

Crédito facilitado

A taxa básica de juros em queda facilita a aquisição de crédito tanto para pessoas físicas quanto jurídicas. Tão logo o Copom anuncie a queda da taxa, os bancos já se movimentam para diminuírem os juros de várias linhas de crédito. Isso é importante para que o consumidor possa pedir crédito, para, por exemplo, pagar determinada dívida, e, também, para o comerciante varejista, que ganha facilidade para pedir crédito para determinado investimento em seu negócio, por exemplo.

Além disso, o rotativo do cartão de crédito costuma sofrer uma queda, o que se torna um incentivo para as compras a prazo – e quem ganha com isso é o comerciante varejista, que vê as pessoas estimuladas a voltar a comprar, sabendo que os juros estão mais baixos.

Taxa básica em queda = incentivo para investimentos

Com a taxa de juros em queda, o empresário é beneficiado duplamente, pois tendo os créditos facilitados, os juros mais baixos são um atrativo para investir no seu negócio, seja em produtos para venda, pois sabe que a baixa dos juros também vai refletir em seu público-alvo, ou para alguma melhoria em seu estabelecimento.

Para que o comerciante varejista tenha a certeza de estar aproveitando todos os benefícios da taxa básica em queda, a orientação de um contador é fundamental.

Mesmo sabendo que o mercado se torna mais  favorável nesse cenário, contar com uma ajuda especializada de um contador com experiência em demandas do comércio varejista para tomar as decisões corretas, escolher o banco que dê as melhores condições de crédito para fazer investimentos, além do auxílio para mudar a precificação de produtos é essencial.

Lembre-se: de nada adianta as condições estarem positivas, se você não souber como aproveitá-las e revertê-las em benefícios para o seu comércio varejista. Nesse sentido, contratar um contador torna-se um investimento que irá, rapidamente, gerar dividendos para o seu negócio.

E então, ficou com alguma dúvida sobre como a taxa básica de juros em queda ajuda você, comerciante varejista? Deixe sua mensagem nos comentários e, para saber mais sobre como um contador pode ajudá-lo a ter sucesso em seu negócio, entre em contato com a Audiens Contabilidade!

Até a próxima!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.